Fique por dentro


CARTA À SOCIEDADE BRASILEIRA - 07/01/2019
CARTA À SOCIEDADE BRASILEIRA
MITOS E VERDADES SOBRE A JUSTIÇA DO TRABALHO

Diante das REITERADAS declarações feitas pelo hoje Presidente da República, Jair Bolsonaro, DESDE O INÍCIO DA SUA CAMPANHA ELEITORAL E AGORA, MAIS RECENTEMENTE, em entrevista, divulgada nesta quinta feira ( 03/01/2019), sobre a tese de extinção da Justiça do Trabalho, a ABRAT ( Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas), representante das 26 associações estaduais afiliadas, dialoga com a sociedade brasileira, esclarecendo mitos e verdades sobre a instituição:
MITO – “O Brasil é o único país do mundo que possui Justiça do Trabalho”
VERDADE:  O Brasil não é o único país do mundo que possui Justiça do Trabalho especializada, instalada desde em 1941. Segundo dados do Procurador do Trabalho do Rio de Janeiro, Dr. Rodrigo de Lacerda Carelli, a Inglaterra possui uma estrutura de primeiro e segundo graus de jurisdição; Nova Zelândia (criada em 1894) com cortes especializadas em Direito do Trabalho; Hong Kong, com o The Labour Tribunal, cujo objetivo é a resolução de demandas decorrentes do trabalho; Alemanha (criada em 1890, tornando-se independente em 1953),  com um sistema igual ao do Brasil, de três instâncias de jurisdição; França (criada em 1894), similar ao modelo brasileiro; Bélgica, com a justiça especializada em primeiro e segundo grau de jurisdição; Israel, com cortes especializadas; Países escandinavos; Suécia, Noruega e Finlândia; em todo o continente da América, valendo destacar que no México, até 2017, a Justiça do Trabalho era vinculada ao Poder Executivo e recebeu estrutura própria após a reforma constitucional. (https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/o-mito-da-jabuticaba-a-justica-do-trabalho-no-mundo-30112017)

MITO: “O Brasil é um país de direitos em excesso, agora falta emprego. Porque quando você pensa em produzir alguma coisa, quando você vê a questão dos encargos trabalhistas, que atrapalha todo mundo no Brasil, aquela pessoa desiste de empreender.”
VERDADE: Segundo dados do Relatório Geral da Justiça do Trabalho, em 2017, foram julgados 4.287.952 processos, 99,4% do total recebido e os assuntos mais recorrentes na Justiça do Trabalho foram: Aviso Prévio, Multa do Artigo 477 da CLT, Multa de 40% do FGTS e Multa do Artigo 467 da CLT, verbas de natureza alimentar, dentro de uma cultura de não pagamento de direitos trabalhistas mais óbvios aos empregados dispensados, valendo destacar que “Nos três graus de jurisdição, a Indústria foi a líder, entre as diversas atividades econômicas, com maior quantitativo de casos novos. Além dela também estiveram na liderança, no TST, a Administração Pública e o Transporte e, nos Tribunais Regionais e Varas do Trabalho, os Serviços Diversos e o Comércio.” Ademais, segundo dados do SERASA, o número de empresas criadas no primeiro semestre de 2018 foi o maior dos últimos 8 anos, No período, 1.262.935 companhias surgiram, maior resultado desde 2010, quando a medição foi iniciada.
Se houvesse desistência de empreender no Brasil, não haveria a criação de tantas empresas e um aumento expressivo em sua quantidade, o que significa que ser patrão no Brasil, não pode ser um tormento.
MITO: “Nós temos mais ações trabalhistas que o mundo todo junto . Então algo está errado. É o excesso de proteção.”
VERDADE: O Brasil, segundo dados do IBGE, possui 12 milhões de desempregados. Além do mais a quantidade de brasileiros que trabalham sem carteira assinada subiu 498 mil em um trimestre, batendo um recorde de 11,7 milhões de brasileiros nessa situação. Se há uma quantitativo hoje de 11,7 milhões de brasileiros trabalhando na ilicitude, mal expressa na palavra informalidade, não há protecionismo e sim um claro demonstrativo da cultura de não pagamento de direitos trabalhistas, o que deverá ser obviamente submetido à Justiça do Trabalho, para o cumprimento de sua primordial função que é a de contribuir para a desmercantilização do trabalho humano.
MITO: A JUSTIÇA DO TRABALHO É CARA.
VERDADE: Segundo dados do TST, “A despesa da Justiça do Trabalho para cada habitante foi de R$ 95,09, 2,5% inferior à de 2016. Em contrapartida, a Justiça do Trabalho arrecadou para a União o montante de R$ 3.588.477.056,26 em IR, INSS, Custas, Emolumentos e multas aplicadas pelo Órgão de Fiscalização, valor correspondente a 18,2% da sua despesa orçamentária e 6,5% superior ao arrecadado em 2016.”
Ressalta ainda que foram pagos aos reclamantes R$ 27.082.593.692,57, valor este que reflete na economia, pois é devolvido ao mercado na forma de aquisição de bens e serviços pelos trabalhadores, o que contribui para o aquecimento da economia.
A Justiça do Trabalho, autônoma e independente, em uma sociedade que está fundada na dignidade da pessoa humana, e na valorização do trabalho, como fator de autonomia e emancipação, é imprescindível para que cumpra o papel afirmativo direcionado à Justiça Social e à igualdade.
O diálogo com a sociedade brasileira é imprescindível para que mitos não se sobreponham às verdades e neste diálogo, a ABRAT e Associações Regionais conclamam o povo brasileiro para que esteja despido de desinformação e preconceito de qualquer natureza, e que prevaleça a difusão da verdade real para a preservação dos direitos e garantias individuais.
Há compromisso internacional na manutenção da Justiça do Trabalho. O Brasil deve respeito ao artigo 36 da Carta Internacional Americana de Garantias Sociais, que estabelece que “En cada Estado debe existir una jurisdicción especial de trabajo y un procedimiento adecuado para la rápida solución de los conflictos”.
Suprimir essa jurisdição especial, assim, seria romper nosso compromisso internacional, a estabilidade e a fidedignidade do Estado Brasileiro.
A ABRAT e as associações estaduais afiliadas se manterão atentas e vigilantes na defesa incansável dos direitos sociais, da dignidade da pessoa humana, do estado Democrático de Direito e está alerta e atuante contra toda e qualquer tentativa de rompimento com as estruturas constitucionais que representem retrocessos no Mundo do Trabalho.
Assinam:
ABRAT ( Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas)
Alessandra Camarano – Presidente

AAMAT/AM (Associação Amazonense de Advogados Trabalhistas) Aldemiro Rezende Dantas Jr
AATEPI/PI (Associação dos Advogados Trabalhistas do Estado do Piauí)-Téssio da Silva Tôrres-Presidente

ANATRA/RN - Associação Norteriograndense de Advogados Trabalhistas –Rodrigo Menezes – Presidente
ATAT/TO (Associação Tocantinense de Advogados Trabalhistas) -Leonardo Maciel- Presidente
ASSAT/SE (Associação Sergipana de Advogados Trabalhistas)-  Marcos d Ávila Fernandes- Presidente
ACAT/SC (Associação Catarinense de Advogados Trabalhistas)-Ricardo Corrêa Júnior– Presidente
AATRAMAT/MT - Associação de Advogados Trabalhistas do Mato Grosso – Helio Machado da Costa Junior presidente

AAT-MS( Associação de Advogados Trabalhistas do Mato Grosso do Sul)- Tiago Alves da Silva – Presidente
AATC/CAMPINAS(Associação de Advogados Trabalhistas de Campinas) - José Antônio Cremasco Presidente
AGATRA/GO( Associação Goiana dos Advogados Trabalhistas) Maria Madalena Melo Martins Carvelo;
ATEP/PA (Associação de Advogados Trabalhistas do Estado do Pará)-Daniel Cruz – Presidente
AATS/SANTOS - Associação de Advogados Trabalhistas de Santos e Região-Vanessa Morresi – Presidente
ARONATRA - Associação Rondoniense dos Advogados Trabalhistas –- Aline Silva – Presidente
ARAT (Associação dos Advogados Trabalhistas de Roraima) – Florany Mota – Presidente
ABAT/BA (Associação Baiana de Advogados Trabalhistas) - Jorge Otávio Oliveira Lima – Presidente
AFAT/NITERÓI (Associação Fluminense de Advogados Trabalhistas) –Marcelo Cruz – Presidente
ATRACE/CE (Associação dos Advogados Trabalhistas do Ceará ) - José Marcelo Pinheiro Filho-Presidente
AATPR/PR (Associação de Advogados Trabalhistas do Paraná) –Sérgio Rocha Pombo - Presidente
AESAT/ES - Associação Espírito Santense de Advogados Trabalhistas -  Edimário Araujo da Cunha - Presidente

AATP/PE ( Associação dos Advogados Trabalhistas de Pernambuco) - Maximiano José Correia Maciel Neto – Presidente
AMAT/MG  (Associação Mineira dos Advogados Trabalhistas) –- Marco Antônio Oliveira Freitas – Presidente

AGETRA/RS (Associação Gaúcha de Advogados Trabalhistas) – João Vicente Araújo – Presidente
AATDF/DF( Associação de Advogados Trabalhistas do Distrito Federal ) – Carlúcio Coelho
AATAL  ( Associação dos advogados trabalhistas de Alagoas- Carlos Henrique Barbosa de Sampaio-Presidente 
AATSP (Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo)- Sarah Hakim – Presidente
SATERGS (Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas do Rio Grande do Sul) - Eugênio Hainzenreder Júnior - Presidente

Todas Notícias

21/03/2019 - EDITAL DE CONVOCAÇÃO
19/02/2019 - convite assembleia
21/01/2019 - NOTA DE REPÚDIO
15/01/2019 - CONCURSO para SES/DF
07/06/2018 - Novidades!
20/03/2018 - Marielle PRESENTE
17/01/2018 - Valorização Sindical
09/11/2017 - Valorização Sindical
09/11/2017 - Reforma Trabalhista
04/08/2017 - Parceria Estácio
26/07/2017 - XXXIV ENENUT
24/07/2017 - NOTA
25/05/2017 - FNN no OCUPA BRASÍLIA
08/03/2017 - Posse CRN6
15/02/2017 - NOTA DE FALECIMENTO